Skip to content

Tingindo fios

Fios tingidos manualmente sempre atraem meu olhar. As inusitadas harmonias de cores de alguns artistas me fazem abrir a mente e sair do meu padrão limitante de "gosto-não-gosto"! Quando olho para um fio onde a reação imediata à cor é "adoro" ou "odeio", paro por um segundo e tento relaxar, soltar essa impressão. E quando sou bem sucedida...ah....liberdade! Saio do aprisionamento da minha estética e deixo entrar o novo que é sempre interessante! "Colors, Like features, follow the changes of the emotions."  (Cores, como característica/recurso, seguem as mudanças das emoções) Pablo Picasso E para exercitar ainda mais, estou dando os primeiros passos no tingimento de fios! Esse experimento é baseado em dicas e tutoriais de pessoas generosas e não tem a pretensão de ser correto e preciso! É apenas um experimento caseiro de baixo custo e muita diversão!!! Sou fã dos fios nacionais de algodão e optei pelo Anne da Círculo - 100% algodão mercerizado com 500m na cor branca (preço médio de R$6 por novelo). As cores branco, off white, bege bem clarinho e similares são boas bases para tingimento. O corante usado foi Tingecor, próprio para fios de algodão (preço médio de R$1,70 a unidade). Em um site revendedor do corante encontrei uma tabela de misturas de pigmentos para se obter maior variedades de cores. Como queria um resultado de cor intenso, respeitei a proporcionalidade das duas cores (cores 9 e 25)  indicadas para um lilás mais marcante, mas aumentei a quantidade de pigmento. Talvez por isso o resultado final tenha sido uma tonalidade de vinho!!! ops... Para o técnica de tingimento escolhida o fio deve estar acomodado em meadas. Como o fio Anne vem em novelos, usei o acessório que estava a mão: duas cadeiras da sala de estar!               A amarração dos fios em quatro pontos ao longo da meada (sem rigidez simétrica, rsrs) facilita o manuseio durante o tingimento. Por que 4? Duas amarrações não seriam suficientes para manter unida toda a meada pela sua extensão e mais amarrações podem deixar marcas demais ao final do processo. Mas isso não é uma regra absoluta!!! Quem sabe na próxima uso 3?!               Em seguida a meada fica de molho numa mistura de água e vinagre. O fio saturado de água se facilita o processo (além de remover possíveis impurezas) e o vinagre (que também foi usado em outros momentos do tingimento) prepara/configura o fio para receber melhor o pigmento. A quantidade de vinagre foi intuitiva! Coloquei 3 colheres de sopa para um pote com capacidade de 1,5lt, da seguinte maneira: enchi o pote com água até aproximadamente a metade, adicionei o vinagre misturando; acomodei a meada com cuidado, já pensando em como retirá-la. Completei com água até cobrir totalmente o fio.               Pelo que tenho experimentado, quanto mais saturado o fio estiver, melhor sua performance no tingimento. Então, o tempo mínimo seria entre 2 e 3 horas de molho na mistura de água e vinagre. Se eu estiver ocupada com outras coisas este tempo pode ser bem maior e por isso a tampa no pote. Pode ser que a preparação seja num dia e o tingimento aconteça dias depois...daí a tampa protege e atrasa um pouco a evaporação. Agora vem o grande momento!!! Panela de ágata e fogareiro elétrico a postos para começar o tingimento!De acordo com as pesquisas sobre o assunto, é importante que a o recipiente seja aquecido de maneira uniforme e se mantenha assim durante o processo, por isso a sugestão desse "equipamento"! Mas também não é uma verdade absoluta! Há poucos dias atrás conversei informalmente com uma pessoa que é profissional do assunto que me sugeriu panela de aço inoxidável! Com certeza vou experimentar numa próxima vez! Nesse experimento, a idéia era um tingimento intenso e uniforme de uma só cor. Por isso o processo é relativamente simples e toda a meada é tingida de uma só vez. Transferi a meada para um escorredor de macarrão e rapidamente coloquei a panela no fogareiro com água e mais 3 colheres de sopa de vinagre. Com a água aquecida, adicionei os pigmentos e depois de misturar e dissolvê-los, coloquei a meada na panela, tomando cuidado para que ficasse bem acomodada e totalmente coberta. O manual do pigmento sugere 30 minutos no fogo. Durante esse tempo, com 2 palitões de madeira, procurei mexer e acomodar melhor o fio na mistura. Ao final do tempo previsto a água vai se tornando meio transparente.               Mais uma vez a meada vai para o escorredor! Não espremi o fio, apenas deixei que escorresse naturalmente enquanto preparava o material para a próxima etapa. Forrei um pirex com filme de poliéster (daqueles próprios para churrasco) e acomodei a meada, ainda bem encharcada. Num recipiente misturei aproximadamente 300ml de água e mais nove colheres de sopa de vinagre, que foram derramados sobre a meada. Em seguida, cobri toda a meada com as pontas do filme e coloquei no microondas por 5 minutos intervalados por 1 minuto de pausa.                 Por uma última vez a meada foi para o escorredor e em seguida a estiquei sobre uma toalha de cor escura, e suavemente fui pressionando para retirar mais um pouco do excesso de água. O último passo foi pendurar a meada no secador de roupas à sombra, até a completa secagem! Por favor não se assuste com o cheiro de vinagre! Quando o fio seca, o forte odor some!!!               Recomendo à todos! É diversão garantida!!! E um bom treino para futuros tingimentos mais desafiadores! Peace, Knit & Love, Paula

Leave a Reply

You may use basic HTML in your comments. Your email address will not be published.

Subscribe to this comment feed via RSS